Análise de vaga luna, canções de bellini

Vaga Luna, Canções de Bellini:

Vaga Luna é uma arieta composta por Bellini a aprtir de um texto de poesia
anônimo e dedicada a Giulietta Pezzi.
Foi publicada em 1838 pela casa Ricordi como “Tre Ariette inedita”
juntamente com duas outras canções de Bellini, “Il fervido Desiderio ” e “dolente
Immagine di Fille Mia “. Foi também, publicada entre as quinze canções de Bellini
pela Ricordi com o título “Composizioni da Camera” em 1935, o centenário da morte
do compositor. Composto no estilo do Bel canto, é uma peça freqüente do recital, e
foi gravada frequentemente. Seu tom original está em Lá bemol maior com um ritmo
de Andante Cantabile.

LETRA
Vaga luna, che inargenti
queste rive e questi fiori
ed inspiri agli elementi
il linguaggio dell’amor;
testimonio or sei tu sola
del mio fervido desir,
ed a lei che m’innamora
conta i palpiti e i sospir.
Dille pur che lontananza
il mio duol non può lenire,
che se nutro una speranza,
ella è sol nell’avvenir.
Dille pur che giorno e sera
conto l’ore del dolor,
che una speme lusinghiera
mi conforta nell’amor.

TRADUÇÃO
Lua bonita, luzindo como prata
Estes bancos e flores,
Evocando dos elementos
A linguagem do amor
Só você é testemunha
Ao meu ardente desejo;
Vá dizer a ele, diga ao meu amado
A quanto tempo espero ele e suspiro.
Diga-lhe que com ele tão longe,
Minha tristeza não pode ser extendida,
Que a única esperança que eu aprecio
É meu futuro ser gasto com ele.
Diga a ele que dia e noite
Eu conto as horas do meu anseio,
Essa esperança, uma doce esperança acena,
E conforta-me no meu amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *