Análise da Ária de Megacle, Se Cerca Se Dice, de Vivaldi

Aria di Megacle, “Se cerca, se dice”, de Vivaldi:

Vivaldi compôs L’ Olimpiade tarde em sua carreira, em 1734, quando ele
estava em meados dos cinquenta anos, depois de ter demonstrado seu domínio da
ópera com obras como Tito Manlio, Orlando Furioso, e Atenaide. Apesar da base
em sua performance, a ópera soa como se tivesse sido escrita por um amador. A
peça começa com uma estranha e desajeitada “Sinfonia ” que poderia ser
generosamente descrito como “interessante ” em sua alternância de frases de
quatro e três compassos de duração. A orquestração parece não ter meio, apenas
uma melodia “alta” nos violinos, e uma linha de baixo, com muito pouco, se há
alguma coisa, acontecendo no meio. Instâncias de contraponto são escassas e
rudimentares e grande parte da escrita soa como o tipo de nota insubstancial
giratória que pode dar a era barroca um nome ruim. Há algumas exceções
encantadoras; a ária de contratenor “mentre dormi amor fomenti ” e o dueto para
soprano e mezzo-soprano “Ne ‘ giorni Tuoi Felice ” destacam-se pela sua
profundidade de sentimento e inventividade musical. É possível que parte da falta
de eficácia da música é devido ao desempenho dos cantores e que um conjunto
diferente, melhor equilibrado, poderia fazer uma interpretação mais convincente
para a ópera, fazendo sentido de suas excentricidades musicais e encontrando
sutilezas na sua aparente clareza.
Em 1713, tornou-se produtor no Teatro S. Angelo em Veneza. A primeira de
suas óperas é “Ottone in villa”, representada em Vicenza no mesmo ano. São
seguidas outras 45, entre as quais as mais conhecidas são “Il Giustino” (1724),
“Farneace” (1726), o “Orlando” (1727), a “Olimpíada” (1734).
Algumas viagens o levam para o exterior, às vezes em companhia da cantora
Anna Giraud: em 1737 ele foi a Amsterdã como convidado de honra pelo centenário
do teatro local.
Neste último período, suas composições não são mais apreciadas em
Veneza: as mudanças rápidas nos gostos musicais e a afirmação da escola
napolitana o deixaram fora de moda, e ele, em resposta, decide se mudar para
Viena, onde havia estado convidado por Carlos VI e onde esperava talvez ocupar algum cargo oficial na corte. Infelizmente o imperador falece pouco tempos após a
chegada de Vivaldi em Viena; a futura imperatriz Maria Teresa da Áustria é forçada
a fugir para a Hungria por causa da guerra de sucessão austríaca; os teatros
vienenses fecham até o ano seguinte: esses trágicos golpes do destino deixam o
compositor sem proteção imperial e sem fontes de renda, e, finalmente, na noite
entre 27 e 28 de julho de 1741, Vivaldi morre em Viena.

LETRA
Se cerca, se dice: l’amico dov’è,
L’amico infelice, rispondi, morì, morì,
Rispondi: morì.
Ah, no; ah, sì gran duolo non dar-le per me;
Rispondi, ma solo:
Piangendo, piangendo partì.
Se cerca, se dice: l’amico dov’è,
L’amico infelice, rispondi, mori.
Ah no, l’amico infelice, rispondi, partì.
Che abisso di pene,
Lasciar il suo bene,
Lasciar-lo per sempre,
Lasciar-lo così!
Se dice: dov’è,
L’amico infelice, rispondi, morì;
Se cerca dov’è,
Rispondi: morì.

TRADUÇÃO
Se ele tentar, se ele disser, o amigo onde está,
O infeliz amigo, resposta, morreu, morreu,
Resposta: ele morreu.
Ah, não. Ah, sim grande tristeza não dê para mim;

Responda, apenas:
Chorando, chorando partiu.
Se ele tentar, se ele disser, o amigo onde está,
O infeliz amigo, responda, morreu.
Ah não, o infeliz amigo, resposta, partiu.
Que abismo de tristezas,
Deixe-a bem,
Deixe-o para sempre,
Vamos!
Se ele disser: onde ele está,
O infeliz amigo, resposta, morreu;
Se olhar para onde está,
Resposta: ele morreu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *